Graduação

Apresentação

 

A formação do pedagogo deve contemplar a investigação e compreensão dos problemas gerais das instituições escolares e não-escolares e de seus agentes. Nesse sentido, o curso deve oferecer uma iniciação à atividade investigativa e crítica das práticas, da cultura e do saber escolar, necessária à formação de um profissional preparado para enfrentar os desafios de uma sociedade com demandas educacionais complexas e cambiantes.

Em decorrência dessa necessidade, os objetivos do Curso de Pedagogia se coadunam com os objetivos dos demais cursos de graduação na Universidade de São Paulo, aos do Programa de Formação de Professores da USP (PFP-USP) e, de forma estrita, aos objetivos desta instituição, alicerçada na busca constante de articulação e indissociabilidade entre as atividades de docência, pesquisa e extensão, quais sejam:

  • desenvolvimento amplo do estudante, de maneira que compreenda e pense de forma analítica e crítica os diferentes fenômenos de ordem humana, natural e social, adotando posturas coerentes.
  • sistematização do saber historicamente produzido pela humanidade e construção de novos conhecimentos;
  • formação de profissionais socialmente compromissados com as diferentes áreas de conhecimento;

 

Para a consecução desses objetivos gerais, o Curso de Pedagogia foi planejado a partir de princípios que pudessem, por um lado, integrar o currículo e, por outro, flexibilizar a sua organização e garantir ao aluno possibilidades de escolha. Ambas as tendências se traduzem, especificamente, nos seguintes princípios:

  • integração dos conhecimentos das antigas Habilitações (Administração Escolar, Orientação Educacional, Supervisão Escolar e Educação Especial) ao currículo comum da graduação em Pedagogia;
  • flexibilização na organização curricular, possibilitando opções aos alunos de aprofundamento nos campos implicados nos percursos formativos;
  • distribuição das horas de estágio e das demais atividades práticas ao longo do curso;
  • inclusão de Trabalho Complementar de Curso como uma opção para o aluno.


  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

O Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia é voltado para a formação de profissionais de educação por meio de uma sólida formação teórica e pela iniciação à prática docente, aptos a trabalharem na produção e difusão do conhecimento científico-tecnológico do campo educacional, em contextos escolares e não escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes períodos da vida, em diferentes etapas e modalidades da Educação Básica e demais atividades do processo educativo.

Esses profissionais poderão exercer a função docente na Educação Infantil, nas séries iniciais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, no magistério de disciplinas pedagógicas. Poderão, também, atuar nas funções de gestão e de suporte pedagógico das instituições escolares em diversas etapas e modalidades da Educação Básica, bem como no planejamento, execução, coordenação, acompanhamento e avaliação de projetos e experiências educativas não escolares.

Tal formação profissional dos pedagogos exige um aprofundamento teórico consistente, necessário à formação de educadores, bem a atuação do estudante em atividades de pesquisa, cultura e extensão universitária.

 

  1. PERFIL E CAMPO DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO

Considerando-se que em 15 de maio de 2006 foram instituídas, pelo Conselho Nacional de Educação, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação / Licenciatura em Pedagogia (Resolução CNE/CP nº 1), e que tal documento define “princípios, condições de ensino e de aprendizagem, procedimentos a serem observados em seu planejamento e avaliação, pelos órgãos dos sistemas de ensino e pelas instituições de educação superior do país” (BRASIL, 2006), compreende-se que a formação do pedagogo deverá ter ampliada a acepção de docência, posto que esta é compreendida como seu eixo formativo primordial. O campo da Pedagogia é dirigido – nos termos das Diretrizes Nacionais – à “formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, e em cursos de Educação Profissional, na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos” (BRASIL, 2006). Todavia, a compreensão ampliada do conceito de docência envolve uma abrangência que incorpora e extrapola o exercício da atividade de ensino e de aprendizado em sala de aula. O documento das Diretrizes compreende a docência como “ação educativa e processo pedagógico metódico e intencional, a ser desenvolvido em espaços escolares e não escolares, construídos em relações sociais, étnico-raciais e produtivas, as quais influenciam conceitos, princípios e objetivos da pedagogia, desenvolvendo-se na articulação entre conhecimentos científicos e culturais, valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem, de socialização e de construção de conhecimento, no âmbito do diálogo entre diferentes visões de mundo” (BRASIL, 2006).

Essa constitui a base sobre a qual o Curso de Pedagogia é concebido, supondo o desenvolvimento de estudos teórico-práticos, investigação e reflexão crítica acerca de níveis variados de atividades pedagógicas e no âmbito das políticas públicas. Estas pressupõem, por um lado, o diálogo com outros campos do conhecimento que oferecem contribuições significativas para a composição dos saberes da Pedagogia – notadamente “o filosófico, o histórico, o antropológico, o ambiental-ecológico, o psicológico, o linguístico, o sociológico, o político, o econômico, o cultural”, e, por outro, a compreensão dos níveis de planejamento, acompanhamento, execução e avaliação de projetos pedagógicos, processos educativos e experiências educacionais, em ambientes escolares e não escolares, de acordo com a Resolução CNE/CP nº 1, de 2006. Nesse sentido, verifica-se a vocação pública dessa formação conferida ao pedagogo.

Esse profissional terá por ofício realizar atividades de ensino em sala de aula e outras atividades educativas em espaços não escolares, por um lado; e, por outro, procurar atuar criticamente na implementação de políticas públicas no campo da educação, escolar e não escolar, em nosso país.

O pedagogo a ser formado será, portanto, um educador em sentido amplo, e não deve restringir-se às meras questões técnicas de uma profissionalização estreita. Sua formação suporá “um repertório de informações e habilidades composto por pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos, cuja consolidação será proporcionada no exercício da profissão, fundamentando-se em princípios de interdisciplinaridade, contextualização, democratização, pertinência e relevância social, ética e sensibilidade afetiva e estética” (BRASIL, 2006). Por essa razão, será requisito imprescindível o conhecimento da escola como organização e o reconhecimento de seu lugar social de forma a contribuir com saberes e valores que auxiliem na construção de uma sociedade mais justa. O estudo histórico das práticas escolares, de maneira combinada com a análise sociológica das implicações sociopolíticas das relações de poder que perpassam o processo da escolarização, deverá unir-se às perspectivas da gestão e avaliação educacionais, das relações didáticas em sala de aula e das dimensões específicas e técnicas decorrentes das metodologias de ensino dos diversos conteúdos escolares, de maneira que o pedagogo tenha uma visão de conjunto de todas as áreas nas quais ele, como profissional, poderá atuar. Para projetar planos de educação, os domínios da psicologia e da filosofia da educação aliados aos conceitos da sociologia, da política e da economia também são relevantes para essa formação inicial. A habilidade para fazer a leitura e a análise crítica das realidades do ensino no âmbito dos sistemas escolares deverá aliar-se ao compromisso com a busca de alternativas no âmbito das políticas públicas para o desenvolvimento de políticas de educação que contemplem uma ideia de democratização de ensino capaz de projetar níveis adequados de qualidade de ensino, sem abrir mão do tributo a ser cumprido historicamente com a inclusão na escola das parcelas majoritárias da sociedade. Pelo exposto, será fundamental integrar as preocupações com a formação de um professor que possa também exercer funções de administrador, orientador e supervisor, minimizando o efeito indesejável das fragmentações dos currículos anteriores do Curso de Pedagogia. Nesse sentido, o seu campo de atuação profissional amplia-se para as seguintes áreas:

 

Docência:

  • como professor de Educação Infantil, dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental ou no apoio educacional especializado em outras modalidades e em outras formas de atendimento adotadas em instituições escolares, públicas e particulares;
  • como professor especialista em diversas instituições que atendam crianças, jovens ou adultos, sem ou com necessidades educacionais especiais em razão de deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades (superdotação);

Gestão:

  • como diretor e assistente de direção nas diferentes unidades de educação básica de sistemas ou redes de ensino (incluindo Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio);
  • como orientador educacional em todas as instituições, etapas e modalidades de ensino da Educação Básica;
  • como coordenador pedagógico nos diferentes níveis, etapas e modalidades da Educação Básica;
  • como supervisor de ensino no sistema público;
  • como profissional de planejamento, execução, coordenação, acompanhamento e avaliação educacional;

 

Assessoria e Atividade especializada:

  • como assessor pedagógico para assuntos educacionais nos mais diversos setores da sociedade civil;
  • como especialista em áreas de serviço e apoio educacional e em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos;
  • como especialista em planejamento, execução, coordenação, acompanhamento e avaliação de projetos e experiências educativas não escolares;
  • como especialista em produção, pesquisa e difusão do conhecimento científico-tecnológico do campo educacional, em contextos escolares e não escolares.

 

  1. ESTRUTURA GERAL DO CURSO

A proposta pedagógica fundamenta-se e oferece direções em níveis diferentes inter-relacionados à:

  • organização do curso no seu todo;
  • organização das atividades acadêmicas com suas dimensões didático-pedagógicas.

 

O currículo do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade de Educação (48015), na estrutura a ser implantada a partir de 2017, terá duração mínima de 8 semestres (4 anos), compreendendo 31 disciplinas obrigatórias que atendem à formação comum e 09 disciplinas optativas eletivas, totalizando 2.220 horas de aulas teóricas e práticas. Entre as disciplinas optativas eletivas, o aluno poderá direcionar sua formação segundo seus interesses para aprofundamento de acordo com disciplinas pertencentes aos três percursos formativos: “Escolarização e Docência”, “Política e Gestão da Educação”; “Educação e Cultura”. Além disso, há a possibilidade de cursar outras disciplinas optativas nesta e em outras unidades da USP, ou mesmo em outras universidades, sob a forma de optativas livres. Destaque-se que devido à exigência legal (Lei nº 11.645/2008), houve a diminuição de uma optativa eletiva em relação ao currículo anterior para a inserção da disciplina “Cultura e Educação Afrobrasileira e Indígena”. No Curso de Licenciatura em Pedagogia há previsão de 420 horas de atividades práticas, sob a forma de Estágios Curriculares Obrigatórios, alocadas nas seguintes disciplinas “Fundamentos Teórico-metodológicos da Alfabetização”, “Projeto de Estágio em Docência na Educação Infantil”, “Projeto Integrado de Estágio em Docência em Ciências e Matemática”, “Projeto Integrado de Estágio em Docência em Geografia e História”, “Projeto Integrado de Estágio em Educação Especial”, “Projeto Integrado de Estágio em Docência nas Linguagens”, “Projeto Integrado de Estágio em Gestão”, cada qual com 60 horas, em consonância com a Lei nº 9.394 de 1996 (LDB/96), a Resolução CNE/CP nº 01, de 2006 e a Deliberação CEE nº 111/2012 modificada pela Deliberação CEE nº 126/2014. Há 400 horas de atividades – Práticas como Componentes Curriculares – distribuídas ao longo do curso em todas as disciplinas obrigatórias, as quais devem ser entendidas conforme definido no Programa de Formação de Professores da USP (PFP-USP), isto é, “como o conjunto de atividades ligadas à formação profissional, inclusive as de natureza acadêmica, que se voltam para a compreensão das práticas educativas e de aspectos variados da cultura das instituições educacionais e suas relações com a sociedade e com as áreas de conhecimento específico”, compreendendo as atividades de leituras, realização de trabalhos, pesquisas orientadas, entre outras. Finalmente, há a previsão da realização de 200 horas de atividades sob a forma de Estudos Independentes, complementando toda a dimensão teórica, por meio da participação em atividades práticas de diferentes dimensões educativas tais como seminários, oficinas, jornadas, encontros, congressos, pesquisas acadêmicas, consultas a bibliotecas e centros de documentação, visitas a museus, instituições educacionais e culturais, participação em grupos cooperativos de estudos, pesquisas de Iniciação Científica, projetos de Extensão Universitária, participação em eventos acadêmicos da área educacional, entre outras. Essas atividades são tratadas como equivalentes ao que se convencionou denominar no Programa de Formação de Professores da USP (PFP-USP) como Atividades Acadêmicas de Caráter Científico e Cultural (AACC).

O referido curso conta, também, com a inclusão do Trabalho Complementar de Curso (TCC), em caráter opcional para os alunos, tornando-se um mecanismo a mais de iniciação à pesquisa, bem como um exercício de registro sistemático de experiências e inovações no campo educacional. O TCC tem como objetivo a culminância de um processo de aprofundamento teórico por parte do aluno ao longo de todo o curso, que pode ter repercussões positivas na continuidade de sua carreira como docente-pesquisador. Cada aluno contará com a colaboração de um professor de um dos departamentos em sua orientação, bem como com a possibilidade de intercâmbios para o diagnóstico, compreensão e/ou intervenções teóricas e/ou práticas sobre questões educacionais.

O Trabalho Complementar de Curso (TCC) pode ser iniciado a partir do 7º semestre, compreendendo 180 horas, sendo permitido ao aluno optar por utilizar essas horas no interior dos Estudos Independentes ou como uma ampliação da carga horária em seu histórico escolar.

Considerando as disciplinas, os estágios, os estudos independentes e as práticas como componentes curriculares, a carga horária total do curso alcança o montante de 3.270 horas.